Ufal e Sociedade 195 - Tese premiada na rede Jubra

Antônio Santos é professor do curso de Psicologia da Ufal em Palmeira dos Índios
Ufal e Sociedade 195 - Tese premiada na rede Jubra

 Neste programa temos uma conversa com o professor Antônio Santos, autor da tese de doutorado em Modos de vida e formas de resistência de jovens homens homossexuais no contexto escolar do semiárido alagoano, que foi premiada em primeiro lugar no 9º Simpósio Internacional da Juventude Brasileira, realizado em Teresina (PI), nos dias dias 29, 30 de novembro e 1º de dezembro.

Antônio César de Holanda Santos é professor adjunto do curso de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), na Unidade Educacional de Palmeira dos Índios (AL), Campus Arapiraca. A tese foi defendida em 2020, no doutorado em Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O pesquisador foi orientado pela professora Jaileila de Araújo Menezes, vinculada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (UFPE).

Na entrevista à Rádio Ufal, Antônio fala sobre suas pesquisas e sobre a participação na Rede de Pesquisadores e Pesquisadoras da Juventude Brasileira (Rede Jubra) e conta sobre sua trajetória na Universidade Federal de Alagoas (Ufal). “Conclui a graduação em Psicologia na Ufal em 2002, algum tempo depois fiz o mestrado em Educação também na Ufal e já fui aprovado em concurso público para professor no Campus do Sertão e na Unidade de Palmeira dos Índios”, relata Antônio.

Ele fala também sobre a preocupação como pesquisador e psicólogo em entender os desafios da juventude de baixa renda, que enfrenta muitas dificuldades para superar os obstáculos das profundas desigualdades sociais. O tema do mestrado do professor Antônio, por exemplo, foi sobre a expropriação do trabalho e a escolarização do cortador de cana em Alagoas; e ainda na graduação ele já se preocupava com a educação em escolas públicas, abordando o acesso ao computador para os estudantes das periferias.

O tema da tese surgiu quando o professor teve conhecimento de uma escola pública que passou a abordar a questão da violência contra homossexuais com os estudantes, depois que uma aluna cometeu suicídio em consequência das discriminações diárias que ela sofreu no ambiente escolar. “Realizei entrevistas e trabalhos em grupo nesta escola e foi muito importante perceber que a gestão escolar adotou uma política de compromisso com a comunidade LGBTQIAPN+”, concluiu o professor.

Edição de áudio: Edilberto Sandes (Brother)